quinta-feira, 26 de abril de 2012

Máscaras de Beleza

Máscaras de Beleza


Para auxiliar a beleza há diversos tratamentos que podem ser realizados em casa. Geysa Belém da Arte dos Aromas dá dicas e conta alguns segredinhos com receitas caseiras baseados na Fitoterapia.

Chás e Ervas - Diluir as argilas em pó com chá de camomila (calmante), alecrim (tonificante), Hibisco     (antioxidante).
Argila para os cabelos - voce poderá misturar a Máscara Capilar com Argila Verde em pó  para ajudar a regenerar e fortalecer.
Argila para pele - peles sensíveis aplica-se a Argila Branca diluída em  água de coco.  Ajuda a clarear clarear e hidratar.

Esfoliação Amazônica -  Aplica-se no rosto a Argila da Amazônia em pó, misturada com Creme para Massagem Copaíba. Esperar secar e  esfoliar suavemente.

A argila é uma ótima aliada quando se trata de cuidados com a beleza. A Máscara de Argila diminui a oleosidade e tira as impurezas do rosto. E o melhor, você pode aplicar em casa. Para isso dilua a argila em água até atingir consistência pastosa, nas seguintes quantidades: 6 g de argila, mais 4 g de água filtrada e uma gota de óleo essencial.

Antes de aplicar a argila lave o rosto previamente com Sabonete lLquido Andiroba; Aplique a mistura sobre o rosto massageando suavemente. Deve-se evitar contato com olhos, sobrancelhas e lábios; Aguarde 20 minutos para secagem e retire com água fria ou morna; Finalize com hidratante e protetor solar.
Fitoterapia

A Fitoterapia é uma palavra que une dois radicais gregos: “phyton”, que significa planta, e “therapia”, tratamento. É a terapêutica caracterizada pelo uso de plantas medicinais em suas diferentes formas farmacêuticas, sem a utilização de substâncias ativas isoladas, ainda que de origem vegetal (BRASIL, 2006).
   
Formas de atuação
As plantas medicinais possuem princípios ativos, ou seja, compostos químicos produzidos durante o metabolismo da planta, que lhe conferem a ação terapêutica (WAGNER e WISENAUER, 2006). Há diversas formas de utilização, que dependem da parte do vegetal a ser utilizada, do tipo de efeito desejado e da enfermidade a ser tratada (NA).
As plantas medicinais podem ser utilizadas sob a forma de infusão, decocção, maceração, tintura, extratos fluido, mole ou seco, pomadas, cremes, xaropes, inalação, cataplasma, compressa, gargarejo ou bochecho (WAGNER e WISENAUER, 2006).


Contra-indicações
A utilização de plantas medicinais não é isenta de efeitos colaterais, interações medicamentosas ou contra-indicações. Apresentam substâncias que podem ser tóxicas, desencadeando reações adversas. Além disso, a utilização da dose incorreta, da parte da planta indevida ou auto-medicação errônea podem causar efeitos colaterais indesejáveis (TUROLLA e NASCIMENTO, 2006). São necessárias medidas de conscientização da população e educação dos profissionais de saúde para que o uso racional das plantas medicinais seja disseminado. Há grupos como crianças, idosos, lactantes, gestantes e portadores de doenças graves que merecem atenção especial e não podem utilizar a Fitoterapia de maneira indiscriminada, devendo levar em consideração as dosagens e contra-indicações. Além disso, é importante ressaltar que há possibilidades de interação medicamentosa entre a Fitoterapia e o uso de alopáticos, tornando ainda mais necessária a conscientização da população e o cuidado com a auto-medicação (NA).

Nenhum comentário:

Postar um comentário